sábado, 9 de dezembro de 2017

E outras vezes em guerra tão em guerra







jorge palma | disse fêmea

Não invoques a de ontem porque ela já foi embora
Desde que tu partiste morreu já muitas vezes
E embora tenha renascido já nunca foi a mesma
Mais frágil mais ingénua mais tímida umas vezes
outras vezes mais sábia mais triste mais murcha
Mas sempre distinta e outra vez sempre
Às vezes conformada mais cheia do meu sangue
como se tudo fosse novo tudo recém comprado
água sol e ar e sombra
Tão resignada que até sorrio ao espelho que não
Tenho frente a mim
E outras vezes em guerra tão em guerra
que o meu tacto é punhal que me agride as veias
e as flores me ferem e o céu me criva
e até o meu próprio corpo me danifica
- Morro e volto a nascer a cada manhã
a angustiada de ontem hoje não a busques
A eufórica de hoje
talvez esta mesma noite se suicide
abraçada ao travesseiro

Josefina Plá

1 comentário:

Eros disse...

Brilhante, Josefina!